Lendo:
AVC – Acidente Vascular Cerebral

Image

AVC – Acidente Vascular Cerebral

novembro 13, 2019

O que é e quais os fatores de risco

O “derrame” como é popularmente conhecido ou AVC, significa Acidente Vascular Cerebral, porém o nosso conhecido “cérebro” faz parte de um conjunto chamado encéfalo, que é constituído pelo cérebro propriamente dito, o tronco encefálico e o cerebelo, veja a foto a seguir:

Encéfalo

Assim, a denominação correta atualmente é Acidente Vascular Encefálico (AVE), visto que, o “acidente” pode ocorrer nesses outros dois componentes também. 

O AVE é “uma doença causada quando uma artéria entope ou sangra no cérebro levando a uma falta de oxigênio e nutrientes e consequente morte de parte do tecido cerebral” (CAMARGO, 2019). Alguns típicos sintomas do AVE podem ser: “dificuldade de movimentar metade do corpo, dificuldade de falar, compreender ou articular a fala (fala “enrolada”) e assimetria da face (sorriso “torto”)” (CAMARGO, 2019) porém há outros sintomas que podem se manifestar também. 

Os fatores de risco para acontecer o AVE (CAMARGO, 2019) são: 

  1. Pressão alta
  2. Diabetes
  3. Altos níveis de colesterol 
  4. Tabagismo (fumantes)
  5. Problemas no coração
  6. Sedentarismo (falta de atividade física)
  7. Dieta pobre em vegetais e frutas e rica em gorduras e frituras
  8. Idade avançada (idosos)
  9. Consumo de bebidas alcoólicas

Os sintomas e as posteriores sequelas do AVE variam, por isso é importante ressaltar que todo e qualquer diagnóstico e reabilitação devem ser realizados por um profissional da saúde habilitado para tal, que avaliará a melhor conduta para cada paciente. 

No período de reabilitação de um paciente que sofreu um AVE são avaliadas suas funções motoras, sensitivas e cognitivas. Essas funções dependem do estágio em que o paciente se encontra, ou seja, se acabou de sofrer o AVE ou se faz 6 meses por exemplo. A partir desta avaliação serão escolhidas e utilizadas as orientações e técnicas correspondentes, com estimulações motoras, sensoriais, orientação de posicionamentos, atividades e indicação de dispositivos, todos com o objetivo de proporcionar a maior recuperação funcional possível. 

Referências Bibliográficas:
TEIXEIRA, Érika. Terapia ocupacional na reabilitação física. Editora Roca, 2003.CAMARGO, Nathalia. Orientações multidisciplinares para pacientes pós AVC [recurso eletrônico]. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP, 2019. Disponível em: http://www.hcfmb.unesp.br/publicacoes/. Acesso em 6 nov 2019.




1 Comment
  1. clinica de reabilitação rj
    novembro 11, 2020

    parabens pelo artigo, me ajudou muito

    Responder Reply

Deixe uma resposta

Relacionados

novembro 12, 2020

NOVEMBRO AZUL – 12 MESES E 12 CORES

setembro 17, 2020

PLA – O material das órteses Fix it

Arrow-up