Lendo:
Tecnologia assistiva e a impressão 3D

Image

Tecnologia assistiva e a impressão 3D

maio 29, 2019

A Tecnologia Assistiva (TA) vem crescendo e favorecendo a qualidade de vida, as habilidades e funções pessoais de indivíduos com comprometimentos provindos de alguma deficiência ou do envelhecimento.

A TA engloba equipamentos, produtos, sistemas, serviços, metodologias, estratégias e práticas que tem como objetivo a promoção da funcionalidade nas atividades de autocuidado, mobilidade, trabalho e lazer, visando a autonomia, independência, qualidade de vida e participação social.

A órtese pode configurar-se como uma TA: pesquisas apontam que diante da variabilidade de Tecnologias Assistivas, as “órteses são dispositivos amplamente utilizados no processo de reabilitação física e, em função da especificidade de cada pessoa, tem objetivos variados, tais como manter e/ou promover a amplitude de movimento articular; substituir ou aumentar determinada função; prevenir ou corrigir deformidades, entre outros” (BALEOTTI et al, 2018).

Atualmente, o material mais utilizado pelos profissionais da saúde para confecção de órteses personalizadas é o termoplástico. A placa termoplástica é aquecida (em banho maria ou com soprador térmico), cortada conforme o tipo de órtese desejada e depois modelada no paciente, e se necessário são realizados ajustes e aplicação de forros e velcros. As vantagens da confecção em termoplástico são: a confecção instantânea, ficando pronta no mesmo dia, além de se adaptarem perfeitamente à anatomia do paciente, permitindo o conforto e viabilizando o uso do recurso. Porém as pesquisas sobre a opinião dos pacientes que utilizam as órteses ainda relatam um desconforto provindo do peso, calor e a dificuldade de higienização devido a presença dos velcros e forrações coladas.

A possibilidade de confecção de órtese impressa em 3D traz algumas vantagens: elas geralmente são feitas com design vazado, o que reduz o peso e evita transpiração e mau cheiro, além de também serem personalizadas para o paciente. Porém as desvantagem da técnica são: a necessidade de escaneamento do membro, que demanda equipamentos caros; o processamento digital das imagens no software, que demanda específicos conhecimentos técnicos; além das longas horas de impressão.

Pensando nas duas técnicas, a Fix it eliminou as desvantagens e uniu as vantagens da tecnologia da impressão 3D com a praticidade da modelagem dos termoplásticos! Mas como? A Fix it desenvolve placas termoplásticas com designs específicos para o membro de destino e imprime os protótipos na impressora 3D em material termoplástico, para então aquecê-la e modelá-la na anatomia da pessoa. Assim, após os protótipos serem testados e aprovados por especialistas, são produzidos em plástico na fábrica, sem a necessidade da impressão em 3D!

Quer conhecer os nossos modelos de órtese para membro superior? Clique aqui!

Referências utilizadas
BALEOTTI, L. R.; MEDOLA, F. O.; RODRIGUES, O. V. Digitalização e impressão 3D na tecnologia assistiva: desenvolvimento de órtese de membro superior. Tecnologia assistiva: desenvolvimento e aplicação I. Bauru: Canal, 2018, vol. 6, p. 199-206.
Tecnologia Assistiva: Desenvolvimento e Aplicações – I / [Orgs.] Fausto Orsi Medola e Luis Carlos Paschoarelli – 1.ed. – Bauru: Canal 6 Editora, 2018.
Tecnologia Assistiva: estudos teóricos / [Orgs.] Luis Carlos Paschoarelli e Fausto Orsi Medola – 1.ed. – Bauru: Canal 6 Editora, 2018.
Tecnologia Assistiva: Pesquisa e Conhecimento – I / [Orgs.] Fausto Orsi Medola e Luis Carlos Paschoarelli – 1.ed. – Bauru: Canal 6 Editora, 2018.
Tecnologia Assistiva: Pesquisa e Conhecimento – II / [Orgs.] Luis Carlos Paschoarelli e Fausto Orsi Medola – 1.ed. – Bauru: Canal 6 Editora, 2018.


0 Comments

Deixe uma resposta

Relacionados

dezembro 11, 2019

Impressão 3D: a próxima fronteira da saúde

Arrow-up