Lendo:
Gesso é coisa do passado: 2 Brasileiros utilizam bagaço de cana-de-açúcar, milho e beterraba para substituí-lo

Image

Gesso é coisa do passado: 2 Brasileiros utilizam bagaço de cana-de-açúcar, milho e beterraba para substituí-lo

Por Fix it
janeiro 8, 2020

Especialistas da área da saúde, fundadores da Fix it, querem democratizar tratamento inovador de lesões e traumas substituindo o gesso por uma solução biodegradável

Há dois anos atuando no mercado de saúde e trazendo soluções para a área de ortopedia no Brasil, a Fix it , healthtech referência em impressão 3D e especializada em soluções ortopédicas, neurológicas e reumatológicas biodegradáveis, está democratizando uma forma inovadora de tratar lesões e traumas, além de pensar no meio ambiente e em uma nova tendência de consumo.

Produzidos por uma empresa terceirizada os filamentos de PLA (ácido poliláctico), um plástico termomoldável e biodegradável, foram idealizados pelos fundadores da startup que incorporaram na composição bagaço da cana-de-açúcar, milho e beterraba, as órteses possuem design único e se adaptam a anatomia do corpo, além de serem arejadas, higienizáveis, resistentes, à prova d’água e não alergênicos, o que garante conforto e liberdade aos pacientes que precisam de algum tipo de tratamento. 

gesso
Os filamentos de PLA (ácido poli láctico), usam bagaço da cana-de-açúcar, milho e beterraba na composição.

“Todas as nossas soluções foram pensadas para substituir o gesso e as talas tradicionais. O nosso objetivo é produzir imobilizadores para todas as articulações do corpo e estar presente mundialmente, levando uma solução acessível a todas as classes”, comenta Hebert Costa, cofundador e CPO da Fix it. 

Em dezembro deste ano, a startup foi convidada a se instalar na Eretz.bio (Incubadora de Startups do Hospital Albert Einstein), fortalecendo uma nova parceria. 

Além disso, com o intuito de “desengessar” o atendimento a pacientes que precisam de imobilização, a Fix it optou pelo modelo de franquias. Antes, as soluções Fix it eram produzidas em larga escala com tamanhos genéricos (P, M, G) e vendidas diretamente ao público final ou clínicas e hospitais.

Agora, o novo modelo de negócio da empresa permite a oferta de um serviço personalizado; a partir de arquivos digitais, produzidas pelas startup, as unidades franqueadas podem imprimir as soluções em suas impressoras 3D de acordo com as demandas e as medidas de cada paciente. Assim, a healthtech também investe em um consumo consciente e sustentável. 

“Queremos levar nossas soluções para todos os cantos do Brasil com rapidez e eficiência. Mudamos nosso modelo de negócio para torná-lo mais escalável e fazer com que toda a cadeia de distribuição fosse mais sustentável, já que com a mudança o consumo de combustíveis fósseis diminui consideravelmente”, Felipe Neves, cofundador e CEO da Fix it. 

Novo modelo de negócios

Para facilitar e democratizar o atendimento a pacientes que precisam de imobilização, a empresa optou pelo modelo de franquias. Antes, as órteses eram produzidas em larga escala com tamanhos genéricos (P, M, G) e vendidas diretamente ao público final ou clínicas e hospitais.

Agora, a empresa oferece um serviço personalizado; a partir de arquivos digitais, as unidades franqueadas podem imprimir as soluções em suas impressoras 3D de acordo com as demandas e as medidas de cada paciente.

“Queremos levar nossas soluções para todos os cantos do Brasil com rapidez e eficiência. Mudamos nosso modelo de negócio para torná-lo mais acessível e fazer com que toda a cadeia de distribuição fosse mais sustentável, já que com a mudança na maneira de comercializar, reduzimos o transporte  de produtos e o consumo de combustíveis fósseis consideravelmente”, explica Felipe Neves, cofundador e CEO da Fix it.

Relacionados

outubro 9, 2019

Você sabe como as soluções da Fix it são desenvolvidas?

Por
agosto 25, 2022

Quais as vantagens que as órteses da Fix it tem em relação ao gesso?

Arrow-up