Lendo:
Impressão 3D: a próxima fronteira da saúde

Image

Impressão 3D: a próxima fronteira da saúde

Por Fix it
dezembro 11, 2019

A impressão 3D se tornou uma manufatura popularizada, já que diversas áreas do mercado podem fazer o uso dela. Muito em breve, cada um terá a sua impressora em casa. Mas enquanto isso não acontece, você sabe como e quando surgiu essa inovação?

Tudo começou na década de 80, nos Estados Unidos. O foco era a utilização no desenvolvimento de peças para o mercado industrial e o material era a resina. Com a diminuição das indústrias e também da ascensão da REPRAP – um movimento que desenvolveu a ideia da impressão 3D desktop – o material utilizado não se limita mais à resina e nem está direcionado somente às indústrias. Temos hoje o PLA e o ABS, que são os mais baratos do mercado.

Com uma tecnologia de manufatura diferenciada, a impressão 3D se destaca cada vez mais, pois o modo de fabricação é aditivo, ou seja, a matéria prima é depositada em camadas e assim não há perda de material. Já os processos de fabricação tradicionais são de usinagem subtrativa, isto é, para a uma peça ser criada, é necessário um bloco de material e uma máquina que perfure, lixe e desbaste o bloco até tomar o formato do produto requerido.

Nesse procedimento há inúmeras vantagens. Citamos algumas delas abaixo:

  • Economia: O processo de criação de peças a partir de uma impressora 3D reduz os custos com materiais, uma vez que não há restos ou sobras das peças criadas, pois a máquina produz a produto no formato final. Não há necessidade de subtrair material – desbastar, perfurar ou lixar -, ou seja, não há perda de material.
  • Ajustabilidade: Quando o procedimento de criação é feito por moldes, não é possível fazer ajustes, já que são peças prontas, que servem somente como modelo de criação para outras. Geralmente, nesse processo as opções são genéricas, como cores e tamanhos, por exemplo. Com a impressão 3D, essa cadeia é quebrada, já que podem ser facilmente modificados, uma vez que para imprimir é necessário um arquivo digital. E é neste arquivo que são feitas modificações para então, imprimir a peça.
  • Otimização de tempo de desenvolvimento: Ao prototipar o design de uma peça, elimina-se a necessidade de criar um molde. Feito o desenho estrutural do produto em 3D pelo software de criação, basta transferir o arquivo para o outro software, que é o fatiador. Responsável por fragmentar em camadas a distribuição do material, este software também gera as coordenadas para a impressora 3D imprimir o produto.

Atualmente, a tecnologia da impressão 3D demanda o mínimo de conhecimento de matemática, geometria e informática para a criação principalmente de peças inéditas, pois o desenho estrutural feito no software (como Blender e Sketchup), é feito a partir de medidas geométricas e proporções. Mas existem também sites que deixam os arquivos já prontos para a impressão, gratuitamente ou não. Geralmente são designs genéricos, que dificilmente são personalizados sem o devido conhecimento.

Esse tecnologia já chegou na área da saúde. Muitos médicos e entusiastas decidem focar na criação de novos recursos para facilitar ou melhorar a vida dos pacientes. Já temos no mercado próteses, órteses, tecnologia assistiva e até mesmo órgãos feitos a partir da impressão 3D. A ferramenta foi rapidamente abraçada pela área da saúde, na qual já se trabalha em novas aplicações. Graças às impressoras 3D, hoje é possível construir próteses a um custo muito mais baixo, até mesmo produzir órgãos utilizando células do próprio paciente como base, o que derruba as taxas de rejeição.

A utilização da impressão 3D na área da saúde, mais especificamente em imobilização articular, como é o caso das soluções da Fix it, por exemplo, traz inúmeros benefícios. A começar pelo paciente, que terá uma órtese totalmente personalizada a sua anatomia, resultando em muito menos desconforto – visto que o material utilizado é muito mais leve, pode molhar, não é alergênico e não causa mau cheiro.

Os benefícios voltados para o profissional ou clínica são a facilidade na aplicação da órtese – após a impressão da peça, basta aquecê-la para torná-la maleável para a moldagem no membro do paciente – e no descarte. Como o material é biodegradável, basta levá-lo até uma composteira, um processo que praticamente não gera custos.

Hebert Costa é biomédico especialista em impressão 3D, cofundador e CPO da Fix it

Relacionados

outubro 8, 2020

Fix it quer democratizar sua imobilização articular

Por
outubro 9, 2019

Você sabe como as soluções da Fix it são desenvolvidas?

Por
Arrow-up